Carnaval 2008

Da Abertura dos Portos à Cidade do Porto, Itaguaí - Uma História Real

Posição de desfile: 7ª Agremiação a desfilar.

Colocação: 3ª Colocada do Grupo A com 238,9 pontos.

Data do desfile: 02/02/2008 - Sábado.

Local: Sambódromo da Marquês de Sapucaí.

Presidente: Moysés Antônio Coutinho Filho (Zezo)

Carnavalesco: Comissão de Carnaval.

Samba-Enredo:

(versão estúdio)


(versão ao vivo)

Compositores: Melo, Foca, Hipólito, Lelê, Márcio Bombeiro, Marcelo Borboleta, Charuto, Ditão Valdir e Fernando de Lima

Intérprete: David do Pandeiro

Singrou no mar em tormentas
Numa epopéia magistral
Buscando um porto seguro para a Família Real
Pisa em terras brasileiras
Os portos se abrem às nações estrangeiras
E no Rio de Janeiro
Dom João trouxe o progresso
Que luxo! Que transformação!
E na fazenda, uma aldeia encanta a realeza
Sua exuberante beleza fez surgir
São Francisco Xavier de Itaguaí

Vai, Santa Cruz, daqui pra lá, de lá pra cá
No caminho das calçadas
Com dragões a cavalgar
Linda na avenida a desfilar


Da terra que se tira o sustento
O alimento do trabalhador
O cultivo evoluiu e o imigrante atraiu
Rega minha paixão por essa terra
Que tantas indústrias encerra
Com seus encantos seduziu
Meu Brasil

Vai, verde e branco, vai
Rumo ao porto e mostra ao meu país
Itaguaiense guerreiro, de mil culturas herdeiro
Terra de gente feliz


Sinopse do enredo

Justificativa do Enredo:

Divulgando feitos e fatos do passado, o GRES Acadêmicos de Santa Cruz veste a "fantasia real" para exaltar a monarquia que escreveu na História o futuro do nosso país.

Através do enredo "Da Abertura dos Portos à cidade do porto, Itaguaí - uma história real", a Santa Cruz comemora, com a alegria do carnaval, os duzentos anos da chegada da majestosa família ao Brasil, apresentando as grandes realizações de D.João VI, sua contribuição política e cultural e a trajetória de um município que, desde a colonização de nossas terras, esteve entrelaçado nesse contexto histórico e participou do seu desenvolvimento, abrigando hoje o Porto de Itaguaí - o maior da América Latina.

Introdução:

No início do século XIX a Europa foi sacudida por uma longa e violenta guerra. Napoleão, imperador da França e temido general, organizou um poderoso exército, invadiu vários países e colecionou vitórias. Bom estrategista, Napoleão, para derrotar os ingleses, obrigou outras nações a fecharem os portos à Inglaterra, que ficaria isolada e enfraquecida comercialmente. Entretanto, Portugal e Inglaterra eram velhos aliados e realizavam muitos negócios. Os portugueses, então, decidiram contrariar tal ordem, enfurecendo Napoleão, que ordenou a seu exército a conquista de Portugal.

Houve pânico em Lisboa quando se soube da notícia de uma invasão francesa. Naquele momento, os portugueses não estavam em condições de enfrentar um inimigo tão forte.

Depois de muitas discussões e debates, ficou estabelecido que a família real, liderada pelo príncipe regente Dom João, deveria partir imediatamente para o Brasil, que nessa época era uma colônia portuguesa.

A Corte, a salvo do outro lado do oceano, asseguraria a independência de Portugal .

BRASIL - O DESTINO REAL

No dia 29 de novembro de 1807, dezenas de embarcações zarparam de Portugal, repletas de nobres, funcionários do palácio, burgueses, bagagens, animais, recordações, sonhos...

A incerteza do futuro, o temor aos mistérios do mar, a desolação de deixar a terra natal e o alívio de escapar dos exércitos napoleônicos embarcaram com os quinze mil portugueses que cruzariam os mares a caminho do Brasil.

A grande esquadra real, numa viagem difícil, enfrentou tormentas, avarias, perigos e calmarias durante o trajeto. O episódio é considerado até hoje uma das maiores epopéias da história lusitana.

Finalmente, depois de quase dois meses no mar, as naus que conduziam a rainha D. Maria I, seu filho, o príncipe D.João, a esposa Carlota Joaquina e os descendentes reais chegaram a Salvador em 22 de janeiro de 1808, embora o destino original fosse o Rio de Janeiro.

Durante sua breve estada entre os baianos, a família real foi acolhida com alegria e muito festejada pela população. A admiração cresceu ainda mais quando, em 28 de janeiro de 1808, Dom João assinou a Carta Régia, decretando a abertura dos portos do Brasil ao comércio direto com todas as nações amigas, quebrando o monopólio português.

A Abertura dos portos, além da importância histórica, representa um dos momentos marcantes para as relações estrangeiras. A partir desse período, o Brasil passou a ocupar espaço entre os países desenvolvidos, tornando-se uma voz relevante na esfera internacional.

ATOS E FATOS

A chegada da família real ao Rio de Janeiro deu-se em 7 de março de 1808, causando curiosidade e euforia.

A população se espremia nas ruas estreitas, ovacionando os novos ilustres moradores, que transformaram a cidade no centro das atenções políticas da época, pois passou a ser a capital do reino português. Apesar dos transtornos causados pela transferência de tantos portugueses, o Brasil e especialmente o Rio de Janeiro se beneficiaram bastante com a vinda da família real e as providências tomadas por D. João VI. Os bailes e festas coloriam os salões; as ruas foram alargadas e iluminadas; indústrias foram implantadas; foram criados o Banco do Brasil, o Jardim Botânico, Escolas de Ensino Superior, A Biblioteca Real, Academias Militar e Naval e a Real Academia de Belas Artes.

D.João VI lançou as sementes do nosso desenvolvimento político, social e cultural, erguendo os alicerces para uma futura emancipação e administração independente do Brasil.

Mas nem só de trabalho vivia a Realeza. Em seus períodos de descanso e lazer, a família real desfrutava da beleza e da tranqüilidade da imensa Fazenda de Santa Cruz, onde realizava festejos dançantes e saraus, além de passear pelas aldeias das cercanias. Dentre essas aldeias, Itaguaí, que também pertencia à fazenda, destacou-se por sua exuberante paisagem e por ser ponto de passagem obrigatória para todos os que se dirigiam às províncias de Minas Gerais e São Paulo, transformando-se num cenário importante para as mudanças no país. Pelas terras de Itaguaí, cientistas estrangeiros buscavam mais conhecimento; nobres ilustravam seus diários com a pitoresca natureza e aventureiros se lançavam, sonhando com ouro e riquezas. A aldeia foi elevada à Vila de São Francisco Xavier de Itaguaí em 5 de julho de 1818 e sua crescente trajetória faz parte do engrandecimento do país.

No decorrer da História, a família real enfrentou momentos de crise, incertezas, lutas, alegrias e glórias que tornaram maior o desejo de permanecer no Brasil. Porém, Portugal exigia a volta de D.João VI, coroado rei após a morte de sua mãe, D. Maria I. O retorno era inevitável. Então, a realeza entristecida despediu-se das terras brasileiras e do povo hospitaleiro que tão calorosamente a acolheu, mas deixou o príncipe regente, D.Pedro I, como Imperador do Brasil, para conduzir os interesses da Coroa. D. Pedro I esteve com freqüência em Itaguaí, já que somente passando pela localidade se chegava a Minas Gerais e a São Paulo, através do histórico Caminho das Calçadas, trecho construído pelo trabalho escravo, que cruzava as serras e ainda hoje é existente.

Numa das viagens a São Paulo, em 1822, acompanhado pelos dragões, guardas da cavalaria Real, D.Pedro seguiu decidido para o ato da Independência do Brasil, tornando-se o referido caminho conhecido como Estrada da Independência. Neste Caminho existia uma fonte, onde D.Pedro I saciava a sede da tropa e dos cavalos. No local foi erguido um chafariz, hoje tombado pelo Patrimônio Histórico.

Ao abdicar do trono, D.Pedro deixou gravado no coração dos seus filhos o amor a terra. D.Pedro II e as princesas usufruíam das paisagens itaguaienses, onde se sentiam seguros e tranqüilos. Semeando cultura, D. Pedro II fundou em Itaguaí, em 1880, uma das bibliotecas mais antigas do Brasil, onde inúmeros exemplares, preservados até hoje, atestam sua inestimável doação de livros.

Berço de vultos históricos como Quintino Bocaiúva, Barão de Teffé, Luis Murat e tantos outros, Itaguaí foi administrada por nobres influentes que a fizeram prosperar. Progressivamente, foi se transformando em cidade, com estabelecimentos comerciais, solares, ruas e logradouros.

DO SOLO FÉRTIL BROTA A RIQUEZA

Desde que o Brasil foi descoberto, o governo português tinha a preocupação de colonizar as terras brasileiras para protegê-las de outros invasores. Ao mesmo tempo, pretendia que essas terras gerassem riqueza.

Com a chegada da família real e a abertura dos portos, o açúcar, um dos produtos mais caros e apreciados na Europa, pôde ser comercializado com mais sucesso.

O plantio da cana-de-açúcar foi incentivado e encontrou, nas várzeas de Itaguaí, o solo fértil onde esta cultura se transformou na principal atividade econômica. Na região foi instalado um grande engenho que também produzia e exportava café, farinha e aguardente, conferindo prosperidade e divisas às terras de Itaguaí.

Depois da Independência do Brasil, a cidade desenvolveu enormemente sua agricultura, atraindo imigrantes japoneses que se especializaram no plantio de milho, quiabo, goiaba, tomate, laranja e banana. A produção era tão extensa que abastecia todo o Rio de Janeiro e boa parte do país.

Ainda hoje a cidade de Itaguaí é famosa por seus produtos agrícolas e alimenta a população carioca.

O FUTURO É AGORA

Pouco a pouco, Itaguaí foi crescendo e se desenvolvendo.

Até a década de 60, viveu um período de estabilidade econômica e demográfica motivada pela economia agrícola.

A passagem da antiga Rodovia Rio - São Paulo por seu território, as obras de saneamento e a implantação de indústrias pela Companhia Siderúrgica Nacional, a CSN, trouxeram a aceleração do progresso ao município. A taxa de urbanização disparou, impulsionada pelo forte incremento populacional.

A expectativa da construção de um pólo siderúrgico nas proximidades da cidade, composto principalmente pela Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA) fará de Itaguaí o maior agregador econômico e de empregos da região sudeste.

Ao mesmo tempo em que caminha em direção ao futuro, o Município trabalha em prol de melhores condições de vida para a população, dando a crianças e adolescentes uma educação de qualidade e uma cultura mais ampla.

Conservando suas tradições, Itaguaí comemora com entusiasmo as datas cívicas, religiosas e os festejos populares.

Integrando o calendário oficial da cidade, a EXPO - Exposição Agropecuária, Industrial e Comercial de Itaguaí é hoje um dos maiores acontecimentos do Brasil, atraindo produtores rurais, companhias de rodeio e expositores industriais e comerciais de todo o território nacional.

Os concorridos Jogos de Verão abrem a temporada de calor incentivando a saudável prática esportiva.

Também não pedem ser esquecidos os animados carnavais, herança da monarquia portuguesa, que trazem ao município foliões das cidades próximas e turistas em busca da alegria e diversão locais.

Com um passado escrito nas páginas da História, hoje, Itaguaí - a cidade do porto vive dias de glória e progresso.

Com implantação do Complexo Portuário, o maior da América Latina, a gigantesca circulação de navios, mercadorias e divisas tornará o município conhecido internacionalmente e fará de Itaguaí a cidade onde o futuro é agora.

Rosele Nicolau Jorge Coutinho, autora do enredo.

Ficha Técnica
Componentes: 2500
Alas: 23
Alegorias: 5
Presidente: Moysés Antônio Coutinho Filho (Zezo)
Comissão de Carnaval: Rosele Nicolau, Munir Nicolau, Fran Sérgio e Ricardo Dennis
Autor(es) do enredo: Rosele Nicolau Jorge Coutinho
Autores do samba: Melo, Foca, Hipólito, Lelê, Márcio Bombeiro, Marcelo Borboleta, Charuto, Ditão, Valdir, Fernando de Lima
Intéprete: David do Pandeiro
Outros Intérpretes: Vitor, Adriano, Célio Silva e Vitor
Mestre de Bateria: Rafael Queiroz e Gustavo
Outros Diretores de Bateria: Xangô, Geco e Marcão.
Ritmistas: 220
Rainha de Bateria: Renata Santos
Princesa da Bateria: Larissa Nicolau
Diretora da ala das Baianas: Marília Vianna
Número de Baianas: 100
Ala das Crianças:
Responsável: Antonio Carlos Sampaio
Total de componentes: 120
Galeria Velha Guarda:
Presidente: Neuza Maria de Oliveira
Total de Componentes: 25
Coreógrafo Comissão de Frente: Carlinhos Muvuca
Mestre-Sala e Porta-Bandeira:
1º Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira
Nome do Mestre-Sala: Eduardo Belo
Nome da Porta-Bandeira: Cínthia Ribeiro
2º Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira
Nome do Mestre-Sala: José Mauro
Nome da Porta-Bandeira: Taísa
Roteiro de desfile
Setores da Escola:

1º SETOR

Nome: BRASIL – O DESTINO REAL
Numeração das alas: 1, 2, 3, 4, 5

2º SETOR

Nome: ATOS E FATOS
Numeração das alas: 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12

3º SETOR

Nome: DO SOLO FÉRTIL BROTA A RIQUEZA
Numeração das alas: 13, 14, 15, 16, 17

4º SETOR

Nome: O FUTURO É AGORA
Numeração das alas: 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25

Alas:
Descrição das Alas
Figurinista(s): Fran-Sérgio e Rosele Nicolau

Nº Nome da Fantasia
Nome da ala
Descrição
Resp. pela ala

MISTÉRIOS E DESAFIOS
Comissão de Frente:
Representa os monstros marinhos que povoavam o imaginário da Corte Portuguesa. Na época, acreditava-se que os mares estavam repletos de seres misteriosos que desafiavam os navegantes.

1º Carlos Muvuca

MAR DE TORMENTAS E CALMARIAS

COMUNIDADE
Simboliza o vasto mar que conduziu a Família Real ao Brasil. Ora calmo, ora tempestuoso,o mar fez dessa viagem uma epopéia lusitana magistral.

2º Bira

NOBRES E BURGUESES A CAMINHO DO BRASIL

FÃS DA SANTA CRUZ
Representa os incontáveis portugueses que vieram para o Brasil junto com a Família Real, em busca de um porto seguro.

3º Gileno

A CHEGADA À BAHIA

AZULÃO IMPERIAL
Representa a chegada da Família Real a Salvador, onde foi recebida com festas e muito entusiasmo, depois de quase dois meses no mar.

4º Jamil

A CARTA RÉGIA

COMUNIDADE
Uma das primeiras e mais importantes providências de D. João ao chegar ao Brasil foi a abertura dos portos às nações amigas. Através da assinatura da Carta Régia, o comércio se expandiu.

5º Ditão

O COMÉRCIO ENTRE AS NAÇÕES AMIGAS

COMUNIDADE
Depois da Abertura dos Portos e a conseqüente quebra do monopólio português, o Brasil passou a comercializar diretamente com as nações amigas, recebendo em seus portos grande quantidade de produtos europeus.

6º Ruth

A CORTE NO RIO DE JANEIRO

SUPERMERCADOS GUANABARA
No dia 7 de março de 1808, a Corte Portuguesa chegou ao seu destino original – o Rio de Janeiro. A cidade se transformou no centro das atrações políticas da época e passou a ser a capital do reino português. A realeza teve contato com uma nova cultura, descobrindo as cores e sabores de uma cidade tropical.

7º Glorinha e Fernanda Querido

OS BAILES DA CORTE

GUARACAMP
Com a transferência da Corte Portuguesa para o Rio de Janeiro, a cidade viveu dias de festas e saraus. Os bailes animavam os salões, coloridos com a paisagem tropical.

8º Fátima
O JARDIM BOTÂNICO

ALEGRIA
O Rio de Janeiro muito se beneficiou com a chegada da Família Real. D. João, no intuito de incentivar a cultura, tomou providências que engrandeceram a cidade. O Jardim Botânico aclimatou diversas espécies vegetais trazidas da Europa, especiarias e as famosas palmeiras, símbolo do local.

9º Mônica e Betinho

REAL ACADEMIA DE BELAS ARTES

COMUNIDADE
Representa uma das mais importantes providências culturais tomadas por D. João.

10º Jô
DRAGÕES DA INDEPENDÊNCIA

BATERIA
D. João VI, ao retornar a Portugal, deixou seu filho, o príncipe regente D. Pedro, como Imperador do Brasil. D. Pedro I, muitas vezes esteve em Itaguaí, passagem obrigatória para Minas Gerais e São Paulo, através do “Caminho das Calçadas”. Numa dessas viagens, acompanhado pelos Guardas da Cavalaria Real, os Dragões, Dom Pedro seguiu decidido para o ato da Independência do Brasil.

11º Pedro Paulino

INDEPENDÊNCIA E ALEGRIA

PASSISTAS
Representa a alegria de um país independente.

12º Vladimir e Cláudio Júnior

BIBLIOTECA E CULTURA

PROFESSORES NO SAMBA
D. Pedro I, ao abdicar do trono, transmitiu a seus filhos o amor a terra. D.Pedro II e as princesas sentiam-se tranqüilos na paisagem itaguaiense. Semeando cultura, D. Pedro II fundou em Itaguaí uma das mais antigas bibliotecas do Brasil.

13º Macumbinha

A CANA-DE-AÇÚCAR

COMUNIDADE

Representa as extensas plantações de cana-de-açúcar existentes em Itaguaí que, durante longo tempo, tornaram-se a principal atividade econômica, gerando riqueza para o país.

14º Ângela

PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO

COMUNIDADE
Representa os produtos produzidos e exportados por um grande engenho existente em Itaguaí.

15º Artur

IMIGRANTES JAPONESES

SOL NASCENTE

Simboliza os inúmeros imigrantes japoneses que se estabeleceram em Itaguaí atraídos pelo desenvolvimento da agricultura.

16º Isabel

AS VASTAS PLANTAÇÕES

BAIANAS
Representa as extensas plantações de Itaguaí, cuja produção abastecia todo o Rio de Janeiro e boa parte do país.

17º Marília e Eliane

ESPANTALHOS

GUARACAMP
Símbolo das plantações, os espantalhos eram vistos em toda a região, servindo para afastar os pássaros e garantir boa colheita.

18º Edu

AS INDÚSTRIAS

COMUNIDADE
Simboliza a implantação das indústrias que aceleraram o progresso e trouxeram o desenvolvimento a Itaguaí.

19º Lú

ESCOLA DE MÚSICA

ACADEMIA FITNESS
Representa a qualidade da educação dada a crianças e jovens itaguaienses, uma vez que o município prioriza e possui uma das poucas escolas de música gratuitas do país.

20º Alice

AS FESTAS TRADICIONAIS

PÉS-DE-VALSA
Representa as festas populares tradicionalmente comemoradas em Itaguaí.

21º Jacira dos Santos

EXPO

CRIANÇAS
Representa a Exposição Agropecuária, Industrial e Comercial de Itaguaí, que hoje é um dos maiores eventos do país, atraindo produtores rurais, companhias de rodeio e expositores industriais e comerciais de todo o território nacional.

22º Antonio Carlos e Lúcia

OS GUARDIÕES

VELHA-GUARDA
Simboliza a população mais madura do município, mantenedora e transmissora das tradições locais.

23º Neuza

PAIXÃO VERDE E BRANCA

COMPOSITORES
Simboliza a alegria e o entusiasmo que acompanham as tradições itaguaienses.

24º Cláudio Brow

CARNAVAIS

ZONA SUL
Herança da monarquia portuguesa, os alegres carnavais fazem de Itaguaí ponto de encontro de turistas e foliões de todo o Rio de Janeiro.

25º João Pedro

OPERÁRIOS DO PORTO

ENERGIA
Representa a implantação do maior complexo portuário da América Latina, Itaguaí, a cidade do porto, assiste hoje a uma gigantesca circulação de navios, mercadorias e divisas, tornando o município conhecido internacionalmente.

Alegorias:

Descrição das Alegorias
1º ALEGORIA
Nome: CARAVELAS AO MAR
descrição: Representa uma das caravelas que conduziu a Família Real com destino ao Brasil, enfrentando tormentas e calmarias.
Autor: Fran-Sérgio, Ricardo Denis, Munir Nicolau e Rosele Nicolau
Principais destaques: João Batista e Bruna Bee
número da ala anterior à alegoria: 1

2º ALEGORIA

Nome: A CORTE COLORINDO O RIO DE JANEIRO
descrição: A chegada da Realeza ao Rio de Janeiro deu novo colorido à cidade. As carruagens despertavam a curiosidade do povo e os salões se enfeitavam com os bailes e saraus, enquanto D. João providenciava melhorias na cidade tropical.
Autor: Fran-Sérgio, Ricardo Denis, Munir Nicolau e Rosele Nicolau
Principais destaques: Luís Carlos
número da ala anterior à alegoria: 5

3o ALEGORIA

Nome: O SUSTENTO VEM DA TERRA
descrição: Representa a agricultura em Itaguaí, cujos produtos agrícolas abasteciam todo o Rio de Janeiro e boa parte do país. Ainda hoje o município alimenta a população carioca.
Autor: Fran-Sérgio, Ricardo Denis, Munir Nicolau e Rosele Nicolau.
Principais destaques: Bira
número da ala anterior à alegoria: 12

4o ALEGORIA

Nome: INDÚSTRIAS TRAZEM O PROGRESSO
descrição: Representa a implantação das indústrias siderúrgicas que levaram o progresso a Itaguaí.
Autor: Fran-Sérgio, Ricardo Denis, Munir Nicolau e Rosele Nicolau
Principais destaques: Charuto
número da ala anterior à alegoria: 17

5o ALEGORIA

Nome: O PORTO DE ITAGUAÍ
descrição: Simboliza o maior porto da América Latina, onde a circulação de navios e mercadorias é enorme.
Autor: Fran-Sérgio, Ricardo Denis, Munir Nicolau e Rosele Nicolau
Principais destaques: Otávio
número da ala anterior à alegoria: 25
Mestre-Sala e Porta-Bandeira:
1º Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira
Número da ala anterior ao casal: Comissão de Frente
Nome do Mestre Sala: Eduardo Belo
Nome da Porta Bandeira: Cínthia Ribeiro
Nome da Fantasia: Os Mistérios do Mar
Outras Informações: O casal representa os seres mágicos e misteriosos que povoavam a imaginação de todos os navegantes da época.

2º Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira
Número da ala anterior ao casal: 14
Nome do Mestre Sala: José Mauro
Nome da Porta Bandeira: Taísa
Nome da Fantasia: Tributo aos Imigrantes Japoneses
Outras Informações: A fantasia exalta os imigrantes japoneses que muito contribuíram para o desenvolvimento da agricultura em Itaguaí.

Fotos do Desfile

Vídeo do Desfile